O Gerador de Números Aleatórios

Após discutir as aparentes características (físicas) das máquinas de vídeo póquer comuns, vamos dedicar algum tempo para debater acerca do único componente, que torna o vídeo póquer num jogo que necessita de determinadas competências, em vez de apenas outro tipo de slot. Este componente é conhecido como Gerador de Números Aleatórios (RNG).

Há quem diga que para ser bem-sucedido no vídeo póquer, um jogador não necessita de compreender como funciona o RNG. De certa forma, estas pessoas poderão estar corretas. O-Gerador-de-Números-AleatóriosA razão pela qual consideramos importante abordar o RNG deve-se ao facto de várias estratégias de vídeo póquer, que iremos discutir posteriormente, possuem o fator aleatório das cartas como base. Para além disso, existem vários mitos acerca da forma como o RNG distribui a mão original e o draw.

Qual é a sua verdadeira funcionalidade?

Pessoas com conhecimento insuficiente tendem a acreditar que o RNG baralha cartas virtuais. É por esta razão que necessitamos de clarificar que, na verdade, este apenas gera constantemente uma combinação de números dentro de uma amplitude predeterminada. Se olharmos para o jogo de vídeo póquer Jacks or Better, cada uma das 52 cartas incluídas no baralho possuem um número correspondente (entre 1 e 52). Sempre que um jogador deposita moedas ou clica nos botões “Bet One Credit” (Apostar Um Crédito) ou “Bet Max” (Apostar o Máximo), o microprocessador da máquina de vídeo póquer recolhe cinco números aleatórios num período de tempo tão curto como apenas um milésimo de segundo. Após a recolha, este “traduz” os números para as imagens das cartas correspondentes. Agora o jogador recebeu uma mão que o permitirá iniciar o jogo.

As primeiras cinco cartas são distribuídas da forma mencionada acima em todas as máquinas de vídeo póquer. No entanto, diferentes máquinas geram as cartas de substituição de forma distinta, quando um jogador pretende remover determinadas cartas. Essas máquinas, que foram fabricadas no início dos anos 80, utilizam um “método paralelo de distribuição”. Um aspeto específico sobre estas máquinas é o facto de estas selecionarem simultaneamente as cinco cartas que compõem a mão e as cinco cartas de substituição para o draw. Cada carta de substituição é associada a uma das cartas da mão original, enquanto são também alinhadas “atrás” da mão. A carta de substituição correspondente só é exibida quando o jogador decide descartar uma determinada carta. Quando estas máquinas foram introduzidas ao público, várias pessoas se opuseram à distribuição paralela. A razão principal era a possibilidade de uma carta necessária para completar uma combinação poder estar escondida atrás de uma das cartas que o jogador decidiu manter, impossibilitando o jogador de a receber.

Mais tarde, entre meados dos anos 80 e finais da década de 90, foi introduzido um novo tipo de máquinas de vídeo póquer – máquinas que utilizavam o método de “distribuição em série”. Isto significa que quando as máquinas distribuíam as cinco cartas para a mão original, também selecionava cinco cartas de substituição (que não poderiam ser visualizadas), organizadas de forma sequencial. Independentemente da carta que o jogador decidisse substituir, a primeira carta de substituição da sequência era exibida. Caso o jogador pretendesse substituir três cartas, eram exibidas as primeiras três cartas da sequência das cartas de substituição.

Existe outro método de distribuição de cartas, conhecido como “distribuição de cinco em cinco”. Neste caso, a máquina não seleciona as cartas de substituição para o draw no momento em que distribui as cinco cartas da mão original. Após a primeira distribuição, o Gerador de Números Aleatórios continua a produzir combinações de números. Apenas quando o jogador decide quais as cartas que pretende manter é que o RNG seleciona as cartas de substituição para as cartas que foram descartadas.

Mitos Acerca do RNG

Como mencionado acima, existem vários mitos acerca do modo de funcionamento do RNG. Os jogadores de vídeo póquer inexperientes podem ficar intrigados com estes mitos e podem ser influenciados quando se aproximar o momento de decidir as suas jogadas. Vamos analisar alguns destes mitos e, em simultâneo, providenciar uma explicação razoável.

1. Quando o jogador remove determinada(s) carta(s), a máquina irá, por vezes, “servi-lo” com a mesma carta no draw.

Esta afirmação é incorreta. Quando um jogador decide descartar uma determinada carta (não pressionando o botão Hold/Cancel na máquina), a carta será completamente removida do jogo em progresso. É possível que o jogador obtenha uma carta com o mesmo valor. Por exemplo, o jogador decide descartar um Dez de Ouros e obtém um Dez de Espadas como substituição. Repare que não é exatamente a mesma carta que o jogador decidiu descartar.

2. As máquinas de vídeo póquer estão programadas para funcionar em ciclos de vitórias e derrotas, ou cada série de mãos fracas é seguida por uma série de mãos vencedoras.

Nenhuma máquina é programa para funcionar em ciclos. O RNG possui um algoritmo, com base no qual este seleciona as cartas que o jogador receberá originalmente e no draw. Para além disso, a distribuição das cartas é aleatória, portanto, não existe qualquer padrão que se consiga decifrar. Devido a este processo, a análise das mãos anteriores não são suficientes para projetar se uma máquina de vídeo póquer garantirá mãos perdedoras ou vencedoras no futuro.

3. É provável que a máquina de vídeo póquer “sirva” uma mão superior ao jogador, quando este aposta o número mínimo de moedas.

É completamente absurdo acreditar que existe uma relação entre a quantidade apostada pelo jogador e as cartas que este recebe. Independentemente da aposta do jogador, o RNG irá criar uma mão de cartas aleatórias. Pessoas com experiência no vídeo póquer sugeririam que apostasse sempre o número máximo de moedas. Caso um jogador consiga reunir um Royal Flush, receberá um pagamento correspondente a 800 vezes mais a quantia da aposta, mas apenas se a aposta tiver sido a máxima possível. Se o jogador colocar uma aposta menor do que o máximo, o pagamento será de 250 vezes a quantia apostada.

4. É provável que a máquina de vídeo póquer pague mais, ou menos, se o jogador utilizar um cartão slot club (cartão de afiliação) do casino.

Gostaríamos de salientar que o propósito dos cartões de afiliação é recompensar os visitantes pela sua lealdade a um determinado casino. Ao utilizar um cartão de slots, os jogadores serão recompensados com espetáculos, quartos ou refeições gratuitas. Como o leitor de cartões na máquina não está associado ao seu RNG, o cartão não terá qualquer impacto, negativo ou positivo, nas suas sessões de jogo.

5.As máquinas de vídeo póquer são normalmente programadas para um pagamento específico e portanto, o jogador não se deve preocupar com a forma como joga. A sua decisão acerca das cartas que pretende manter também não é relevante, porque o resultado será o mesmo.

É verdade que um jogador não tem qualquer influência na distribuição das cartas, mas este pode moldar a sua mão final ao realizar jogadas estratégicas, selecionando as cartas que deseja manter. No vídeo póquer, a escolha apropriada dos jogos e, especialmente, as jogadas mais competentes serão recompensadas. No entanto, este argumento não é válido ao jogar slots.

Os iniciantes devem também reparar que existem máquinas de vídeo póquer, conhecidos como terminais de vídeo lotaria (VLTs – video lottery machines), que selecionam as mãos vencedoras antecipadamente, portanto, qualquer estratégia de jogo se torna inútil.